Ricardo Barbosa - Coordenador de Classe

Iniciou seus estudos de oboé com Alexandre Barros e mais tarde estudou na Academia de Música da OSESP sob orientação de Joel Gisiger. Na Alemanha foi aluno no Mestrado e Doutorado na classe do renomado Prof. Christian Wetzel na Escola Superior de Música e Dança de Colônia, HfMT – Köln, onde também teve aulas com Peter Veale (Música Moderna), Washington Barella, Kai Frömbgen e Michael Sieg (corne inglês). Foi vencedor de diversos prêmios e concursos, entre eles, Concurso Prelúdio da TV Cultura, Prêmio Mtro Eleazar de Carvalho, Concurso HfMT – Köln e Concurso Internacional Primavera de Praga, um dos mais renomados concursos internacionais para oboé. É oboísta da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo – OSESP desde 2011 e professor de oboé da Escola de Música do Estado de São Paulo – EMESP desde 2014. Trabalha com música de câmara com o Sexteto São Paulo e leciona em diversos festivais de música no Brasil, entre eles o Festival de Música nas Montanhas em Poços de Caldas – MG e Festival de Música na Serra em Lages – SC .

Olivier Stankiewicz

No último ano, Olivier deu recitais em Wigmore Hall, Snape Maltings e Louvre, colaborando com Alasdair Beatson, os quartetos de cordas dóricas e castelhanas. Ele tocou o Concerto Nur de Benjamin Attahir com o Orchester de Lille e participou do Festival de Páscoa de Aix-en-Provence com Renaud Capuçon. Destaques solo anteriores incluem recitais no Museu Isabella Gardner em Boston, Merkin Concert Hall e Morgan Library em Nova York. Ele tocou o Chemins IV de Berio no Orchester National du Capitole Toulouse, o Concerto de Bernd Alois Zimmermann com a Orquestra Nacional Francesa e apareceu com Tokyo Sinfonietta no Suntory Hall. Comprometida com a nova música, nesta temporada, Olivier estréia uma nova comissão de Laurent Durupt em Paris e Londres. Ele grava o Concerto Mozart para o LSO Live e um CD solo para o Delphian. Em 2015, Olivier foi nomeado oboé principal da London Symphony Orchestra. Os prêmios incluem o 1º prêmio nas audições para jovens artistas de concertos em Nova York e no International Oboe Competition no Japão. Ele foi selecionado pelo YCAT em 2016. Olivier Stankiewicz, oboé principal da Orquestra Sinfônica de Londres, com o pianista Alasdair Beatson trouxe um drama extraordinário às Variações Temporais (1936). The Guardian / Snape Maltings Britten Weekend / outubro de 2018

Washington Barella

Barella é professor de oboé na Universität der Kunst Berlin, Alemanha e foi Primeiro Oboista-Solista da “SWR Sinfonieorchester Baden-Baden und Freiburg”. Consagrado pelo público e pela crítica especializada como um dos melhores oboistas de sua geração, Washington Barella é vencedor de importantes prêmios nacionais e internacionais.

Tiago Marques

Tiago estudou com Hristo Kasmetski e Andrew Swinnerton e foi com este professor que finalizou a sua Licenciatura na Escola Superior de Música de Lisboa. Colaborou com Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra Sinfónica Portuguesa, Orquestra do Theatro São Pedro(Brasil), Orquestra Clássica do Centro, Orquestra de Sintra, Orquestra de Cascais entre outras. Durante a sua estadia em São Paulo (Brasil), foi membro do grupo de Jazz “Toró Instrumental” no qual gravou seu primeiro CD em 2017 e em 2018 o CD “Ainda dá Tempo” com o grupo “Rafael Thomaz Septeto”. No final de 2018 apresentou um concerto de improvisação livre a solo no Espaço ZARATAN de arte Contemporânea em Lisboa.

Israel Muniz

Formado pela Faculdade de Música Carlos Gomes e pós graduado na Alemanha pela Faculdade de Música de Colônia como bolsista da DAAD, Israel Muniz trabalhou em importantes grupos orquestrais fora do Brasil, como Bamberger Symphoniker, SWR Baden Baden und Freiburg, Staatstheater Braunschweig e Deutsche Kammerphilharmonie Bremen. No Brasil, integrou a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e a Orquestra Sinfônica da USP. Atualmente é membro da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais como solo corne inglês, representa enquanto artista as marcas Ludwig Frank/Gebrüder Mönnig e atua internacionalmente como solista, camerista e recitalista.

Isaac Duarte

Isaac Duarte é oboísta co-solista e corne inglês da Orquestra da Tonhalle de Zurique (Suíça). Natural de Olinda (PE), estudou na Universidade Federal da Paraíba e foi primeiro oboísta da Orquestra Sinfônica do Recife (PE) e professor do Centro de Criatividade Musical de Pernambuco, antes de se aperfeiçoar com Peter Fuchs no Conservatório e Escola Superior de Música de Zurique. Atuou como solista sob a batuta de vários regentes como David Zinman, Marek Janowsky, Claus Peter Flor e Lanfranco Marceletti. Gravou os concertos para oboé e orquestra de W. A. Mozart, J. Haydn, J. Fiala, assim como o “Concerto para violino, oboé e orquestra de cordas” de J. S. Bach com a Brixi Chamber Orchester of Prague sob a regência de Christoph Meister. Em parceria com a pianista Mônica S. Kato Duarte forma o DUoARTE, com quem gravou o CD „Palheta Brasileira“ (obras de compositores brasileiros eruditos), e outro com obras de R. Schumann, H. Villa-Lobos e H. Birnbach. O trabalho com estudantes e jovens músicos ocupa um lugar importante em sua vida profissional. Participa do corpo docente de festivais como “Festival de Inverno de Campos do Jordão” (SP), „Music Alps Orchestra Festival“ (Seongnam/ Coréia do Sul), “Festival Instrumenta” (Oaxaca,/ México), „Oboeweekend“ (Herzberg /Suíça), “Oficina de Música de Curitiba” (PR), „Festival de Inverno de Tatuí“(SP), além de ministrar cursos de oboé no Nordeste do Brasil. Atua como jurado de vários concursos e também convidado da Universidade de Artes de Zurique para a banca examinadora dos exames finais de oboé para os cursos de Bacharelado e de Master.

Natalia Chahin

Nascida em São Paulo, foi estudar na Holanda onde se graduou em flauta doce e oboé barroco no Real Conservatório de Haia, estudando com os professores Ricardo Kanji e Ku Ebbinge. Também no Conservatório de Haia, obteve seu Diploma de Solista (Master’s Degree) em oboé barroco, sob a orientação do professor Ku Ebbinge. Seguiu também cursos com Marcel Ponseele e Alfredo Bernardini. Na Europa tocou sob a direção de importantes regentes como Willian Christie, Tom Koopman, Bart Kuijken, Paul Goodwin, com a “Orquestra do Século XVIII”, sob a direção de Frans Brüggen, e tocou freqüentemente com a “La Petite Bande”, dirigida por Sigswald Kuijken, com a qual gravou 4CDs e 1 DVD. Já se apresentou na França, Itália, Espanha, Portugual, Alemanha, Bélgica, Holanda, Inglaterra, Suíça, Israel, China e Japão. No Brasil, já tocou com vários grupos, apresentando-se nas mais importantes salas de concerto. De 1994 a 2014 foi professora de flauta doce e oboé barroco no “Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga” de Juiz de Fora, MG, onde gravou com a “Orquestra Barroca” 12 CDs e 1 DVD . Em 2001 e 2006 foi professora de oboé barroco no “Curso Internacional de Verão” de Brasília, DF e em 2007 na “Oficina de música de Curitiba” PR. É professora de oboé barroco na EMESP (Escola de Música do Estado de São Paulo) desde 2007.

Alexandre Barros

Oboé solista da orquestra filarmônica de Minas gerais. Atuou em várias orquestras do Brasil como solista .Foi professor em importantes festivais de música como o festival Sesc - RS Pelotas e de Ilha Bela. Tendo gravado dois CDs com o pianista Miguel Rossellini.

Alexandre Ficarelli

Bacharel e mestre em música / oboé pela Escola Superior de Música de Stuttgart – Alemanha. Mestre também pela USP no Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes. 
Dedica-se a explorar o repertório brasileiro para oboé e realizou diversas estreias de compositores brasileiros, inclusive no exterior. Como membro fundador da Camerata Aberta, grupo dedicado a música contemporânea, e premiado pela APCA e Revista Bravo, realizou turnê pela Bélgica e Holanda. 
Atuou como solista com a OSESP, OSM, OSUSP, OSPA, OSSA entre outras. 
É oboísta solista da Orquestra Sinfônica Municipal do Theatro Municipal de São Paulo e professor na USP no Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes.

Ravi Shankar

Professor de oboé e música de câmara da Universidade Federal da Paraíb (UFPB), iniciou sua formação musical na Escola de Música de Brasília. Após concluir seu bacharelado em Música pela Universidade de Brasília, recebeu seu Künstlerische Ausbildung pela Escola Superior de Música de Rostock, Alemanha, sob orientação dos professores Gregor Witt e Sabine Kaselow, obtendo posteriormente o título de mestre em Performance Musical pela UFMG. Integrou diversas orquestras no Brasil e na Alemanha, dentre elas a Mecklenburgische Staatskapelle Schwerin, a Neuebrandenburger Philarmonie, Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, Orquestra Experimental de Repertório, a Orquestra da Universidade de São Paulo, a Orquestra de Câmara da USP e a Orquestra Sinfônica de Santo André, além de trabalhar como músico convidado do Festival Junge Künstler Bayreuth, do XII Festival Amazonas de Ópera, do XV e XVII Virtuosi (Recife) e do Festival Artes Vertentes – Festival Internacional de Artes de Tiradentes. Atualmente é membro do Centro de Estudos do Gesto Musical e Expressão da Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais, onde realizou seu Doutorado em Performance Musical.