Claudia Nascimento - Coordenadora de Classe

Nascida em São Paulo, Cláudia Nascimento é flauta solista da OSESP desde 2015. É bacharel pela Unesp e foi bolsista da Fundação Vitae em Paris, onde estudou com Philippe Pierlot, Michel Moraguès e Frédéric Chatoux. Já trabalhou com maestros como Lorin Maazel, Kurt Masur, Semyon Bychkov e Louis Langrée e atuou como solista frente às Orquestras Sinfônica do Estado de São Paulo, Sinfônica Brasileira, Experimental de Repertório, Sinfônica da USP, Sinfonica de Campinas e Sinfonica de Porto Alegre. Recebeu diversos prêmios, dentre eles, o primeiro prêmio no XIV Concours Européen de Musique, na Picardia, em 2006. Além do trabalho na Orquestra, desenvolve intensa atividade como camerista e professora. Sua discografia inclui obras camerístas e sinfônicas. Com a OSESP gravou a integral das sinfonias de Villa Lobos, Prokofiev e o Choro para flauta e Orquestra de Camargo Guarnieri. Integrou a Orquestra Sinfônica Brasileira, entre 2008 e 2014.

Virgile Aragau

Virgile ARAGAU a commencé la flûte au sein d’une famille de musiciens, et se forme auprès de son père, Xavier ARAGAU. Par la suite, il se perfectionne auprès de Prof. Benoît FROMANGER, Pascale FEUVRIER et Claudia STEIN ( flûte solo de la Staatskapelle de Berlin ). Dès lors, il est invité en tant que flûte solo au sein de grands orchestres comme l’ Orchestre de la Staatskapelle de Berlin, l’Orchestre du Frankfurter Opern-und Museumorchester ainsi que la NDR Elbphilharmonie de Hamburg sous la direction de Daniel BARENBOÏM, Zubin METHA, Sir Simon RATTLE, Daniel HARDING, Bertrand DE BILLY etc. Il se produit également en tant que soliste et chambriste en France et à l’étranger ( Japon, Allemagne, Roumanie etc ) . Virgile ARAGAU occupe actuellement le poste de flûte solo de l'Orchestre Philharmonique de l'Opéra de Marseille sous la direction de Lawrence FOSTER .

Ricardo Kanji

O flautista e regente Ricardo Kanji especializou-se na interpretação da música barroca e clássica ao longo dos 25 anos de sua estada na Holanda, onde foi professor no renomado Conservatório Real de Haia, de 1973 a 1995. Foi diretor artístico da orquestra Concerto Amsterdam de 1991 a 1996, e é membro da Orquestra do Século XVIII, dirigida por Frans Brüggen, desde sua fundação em 1980. Desde seu retorno ao Brasil, em 1995, tem atuado no meio musical brasileiro como concertista, regente, professor e luthier. Como regente, apresentou-se com orquestras e coros de renome por todo o país. Criou, em 1997, o Coro e Orquestra Vox Brasiliensis, conjunto com o qual se dedicou, como diretor artístico, ao projeto História da Música Brasileira, que resgatou,com uma série de programas de televisão e CDs, a rica e desconhecida produção musical brasileira. Por este trabalho foi premiado como o melhor regente de 1999 pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte). Tem difundido a música colonial brasileira no Brasil e na Europa, como regente convidado na Holanda, Bélgica, Portugal, França e Polônia. Em novembro de 2006 dirigiu a ópera Don Pasquale, de Donizetti, na Holanda, Bélgica e Polônia, numa produção do Teatro de Ópera de Cracóvia. O CD “Neukomm no Brasil” , realizado por Ricardo Kanji e Rosana Lanzelotte, recebeu o Prêmio Bravo de 2009 pela melhor gravação do ano, e recebeu a nomeação para o Grammy Latino, no mesmo ano. É professor de flauta doce no Núcleo de Música Antiga da EMESP desde sua criação.

Cássia Carrascoza

Cássia Carrascoza é professora Doutora do Departamento de Música da FFCLRP-USP. Foi bolsista da Fundação VITAE, estudou na Academia Franz Liszt de Budapest e no Conservatório de Amsterdam. De 1999 a 2018 foi primeira flautista da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo e, de 2000 a 2014, da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo. Foi integrante da Camerata Aberta, com a qual recebeu o prêmio APCA 2010 e o 8° Prêmio Bravo 2012. Se apresentou em diversos países da Europa, Estados Unidos e América do Sul. Trabalha na pesquisa da performance da música contemporânea brasileira, recebendo diversas obras dedicadas a ela no Brasil e exterior. Em 2017, lançou o Cd Tempo transversal - flauta expandida, gravado em São Paulo e em Paris, (Selo SESC), apontado pela Revista Bravo como um dos 10 Cds imperdíveis de música erudita desse ano. Tem sido convidada para atuar em instituições internacionais como IRCAM, UC – Riverside, Pontificia Universidad Católica de Chile.

Julee Kim Walker

A flautista Julee Kim Walker continua sendo uma artista ativa e pedagoga no Dallas-Ft. Worth Metroplex. Ela é professora associada de flauta na Texas A&M University-Commerce. Recebeu seu B.M. da Universidade do Texas em Austin, M.M. pelo Conservatório de Música de São Francisco e pelo Doutorado em Artes Musicais da Universidade do Norte do Texas. Ela é diretora artística do simpósio anual Texas Summer Flute, realizado em Commerce, TX, e presidente da Texas Flute Society. Professora estimada, a Dra. Walker foi ganhadora em 2020 e 2016 do Prêmio Paul W. Barrus de Professores Distintos por Ensino, e é procurada como clínica, adjudicadora e para masterclasses em todo os EUA. Ela já se apresentou no Lyric Stage, The Dallas Opera, Dallas Symphony, Sherman Symphony, South Arkansas Symphony, Abilene Philharmonic, Amarillo Symphony, Las Colinas Symphony e Shreveport Symphony Orchestras. Seus ex-professores incluem September Payne, Christina Jennings, Karl Kraber, Tim Day, Helen Blackburn, Elizabeth McNutt e Terri Sundberg.

Renan Mendes

Flautista solista da Orquestra Sinfônica do Theatro Municipal de São Paulo (OSM) e do Sexteto Senna6. 
Ainda jovem, foi vencedor de importantes concursos nacionais: Prêmio Eleazar de Carvalho (2011), Concurso ABRAF (2010), Concurso Solista da Orquestra Experimental de Repertorio (2008 e 2009). Participou, como músico convidado, em prestigiadas orquestras na França e no Brasil: Orquestra de Paris, Ensemble Intercontemporain, Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. Renan é formado pelo Conservatório Nacional Superior de Paris.

Andrea Cristina Vilella

Andrea Cristina Vilella, nascida em São Paulo, iniciou seus estudos musicais na EMESP Tom Jobim, ingressou posteriormente no Conservatório Dramático e Musical de Tatuí e aperfeiçoou-se em Berlim,Alemanha com Christina Fassbender. Participaram da sua formação musical professores como Rogério Wolf, Edson Beltrami, Ana Wolstenhome, Vincent Lucas e Pierre Dumail. Participou como flautista e piccolista de diversas orquestras no Brasil como Orquestra Sinfonica da Usp, Orquestra Filarmônica Amazonas, Orquestra Filarmônica do Espírito Santo, Orquestra do Teatro São Pedro e Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. Atualmente é flautista e piccolista da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo

Adriana Ferreira

A flautista Adriana Ferreira é uma das mais destacadas da sua geração a nível internacional, o que lhe valeu as mais altas distinções em alguns dos mais importantes concursos internacionais de flauta transversal, bem como o lugar de solista na Orquestra Nacional de França, na Orquestra Filarmónica de Roterdão e na Orquestra da Academia Nacional de Santa Cecilia de Roma. Em 2009, aos dezoito anos de idade, obtém o 1º Prémio no Concurso de Interpretação do Estoril - Prémio El Corte-Inglès. No ano seguinte, obtém o 1º Prémio, o Prémio da Orquestra e o Prémio do Júri de Jovens Flautistas no Concurso Internacional Carl Nielsen, na Dinamarca. Em 2013, é laureada no Japão com o 3º Prémio no Concurso Internacional de Kobe; antes de obter em 2014 o 1º Prémio e o Prémio Darmstadt, pela melhor interpretação da Sequenza de Luciano Berio, no Concurso Internacional Severino Gazzelloni em Itália.  No mesmo ano, obtém o 2º Prémio ex-æquo - 1º não atribuído - e o Prémio especial Coup de Cœur, atribuído pelos Relógios Breguet, no Concurso Internacional de Genève, na Suíça. Adriana Ferreira é actualmente flautista principal da Orquestra da Academia Nacional de Santa Cecília de Roma. Foi solista na Orquestra Nacional de França de 2012 a 2018 e flautista principal na Orquestra Filarmónica de Roterdão em 2016-2017. Apresentou-se em diversos festivais (Barcelona, Caravana Musical da Primavera de Monte-Carlo, Giverny, Manchester, Copenhaga, Kuhmo, Roma, ...), bem como a solo com as orquestras de câmara do Kremlin, de Colónia e de Genève, Sinfónica de Odense, Orquestra Gulbenkian e Sun Symphony Orchestra de Hanói, entre outras. Colaborou com vários compositores e estreou diversas obras, entre as quais o Concerto para flauta e orquestra de Joaquim dos Santos, a si dedicado. Colabora regularmente com a Orquestra XXI, projecto criado em 2013 que reúne músicos portugueses residentes no estrangeiro. Natural de Cabeceiras de Basto, Adriana Ferreira começou a estudar flauta transversal na Banda Cabeceirense. Em 2008 obteve um Prémio de Mérito do Ministério da Educação e o Prémio Dra. Manuela Carvalho pelos seus estudos na Escola Profissional Artística do Vale do Ave - ARTAVE (2002-2008), na classe de flauta de Joaquina Mota. Como bolseira da Fundação Calouste Gulbenkian, integrou a classe de Sophie Cherrier, Vincent Lucas e Pierre Dumail no Conservatório Nacional Superior de Música e Dança de Paris (2008-2015), onde completou o Mestrado e o 3º Ciclo superior, sob a orientação de Hae-Sun Kang. Estudou ainda com Benoît Fromanger na Hochschule Hanns Eisler de Berlim e é licenciada em Musicologia pela Universidade Paris-Sorbonne (Paris IV).  Em 2011 foi-lhe atribuído um Voto de Louvor, Congratulação e Regozijo e, em 2015, obteve a Medalha de Mérito Público - Grau Ouro - do Município de Cabeceiras de Basto

Antonio Rocha

Antonio Rocha Natural de Valença R.J. nascido em 16 de abril de 1981, em uma família de músicos,é instrumentista,compositor,arranjador e regente. Estudou flauta com José Carlos Teixeira, Raquel Magalhães, Marcelo Bonfim e Altamiro Carrilho, de quem recebeu grande apoio, sendo reconhecido, pelo mesmo, como seu sucessor. Integrou, por dois anos, a “Orquestra Sinfônica Brasileira Jovem” - OSBJ/RJ, como segundo flautista. É integrante,como solista, do Conjunto Época de Ouro. Foi Professor de flauta da Escola Portátil de Música. É Maestro da Banda “Sociedade Musical Progresso de Valença”. Em 2006,participou com Altamiro Carrilho,Carlos Malta e outros flautistas,da gravação do curta-metragem “Vivo Em La Flauta”, do Diretor Marcos Souza. Em 2010,participou com o conjunto “Época de Ouro” de uma turnê pelo Japão, com a participação de artistas Japoneses. Como membro do “Conjunto Época de Ouro”, já se apresentou nas principais capitais brasileiras. Gravou com grandes nomes da Música Brasileira como: Déo Rian, Mauricio Carrilho, Altamiro Carrilho, Luciana Rabello, Cristóvão Bastos, Jorginho do Pandeiro, Regional Imperial,Agnaldo Rayol,Herminio Bello de Carvalho e,recentemente Chico Buarque de Holanda,entre outros. Participou na “Choro Music” dos Álbuns dedicados a Joaquim Callado,Zequinha de Abreu,Altamiro Carrilho, Roda de Choro,Pixinguinha,Benedito Lacerda. Participou do Show em comemoração aos 70 anos de Hermínio Bello de Carvalho. Participou do CD “Saxofone Brasileiro” do músico Naylor Azevedo - Proveta. Participou de vários festivais de música como professor de flauta: “Festival Nacional do Choro” (promovido pela Escola Portátil de Música)2006 em Mendes/2007 e 2008 em São Pedro SP, 28ª,29ª,31ª e 33°”Oficina de música de Curitiba”,”Festival de Música de Ourinhos” 2011 e 2012,”Festival Cultural Benedito Lacerda” 2009,”Festival Banda Larga” - Macaé 2011. Participou como produtor,arranjador e regente, nas gravações do Hino de Valença R.J. Em 2015,no “Dia Mundial do Choro”, foi homenageado como “Excelência Musical no Gênero”, pelo “Movimento Choro Suburbano”, nas comemorações dos 118 anos de Pixinguinha. De 2010 a 2016 participa, como integrante do “Conjunto Época de Ouro”, de Programa Semanal na Rádio Nacional/RJ. Em 2016 lança seu CD autoral “Flauta Brasileira”,”Uma resposta de gratidão ao Choro.” Em 2016 ,juntamente com outros músicos brasileiros,participa,como convidado especial, do “Festival de Choro da “Escola Portátil da Holanda”,em Roterdan/Holanda,onde lança seu CD autoral “Flauta Brasileira”. Em 18 de abril de 2017,juntamente com outros grandes “chorões”,recebe homenagem da Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro(MOÇÃO DE CONGRATULAÇÃO),por sua contribuição ao gênero e em comemoração dos 120 anos de Pixinguinha. Tendo como mestre e modelo o flautista Altamiro Carrilho,considera-se um músico eclético, passeando pelo clássico e popular com bom gosto e tranquilidade.De Altamiro Carrilho recebeu o grande reconhecimento e homenagem, quando, ele, o maior flautista desse País, afirmou considerar Antonio Rocha,como um dos melhores flautistas brasileiros da atualidade,sendo o músico que mais se aproxima de seu som de flauta. Após o falecimento de Altamiro Carrilho,foi apontado no Jornal “O Globo” – Segundo Caderno de 16/08/2012,como um dos herdeiros do estilo de Altamiro.

Sergio Barrenechea

Sérgio Barrenechea nasceu em Brasília, iniciando seus estudos musicais na Escola de Música de Brasília. Concluiu seu bacharelado em flauta na Universidade de Brasília e seu mestrado no Boston Conservatory, EUA. Realizou seu doutorado na University of Iowa, EUA, onde teve oportunidade de se apresentar em master-classes de renomados flautistas como Julius Baker, Walfrid Kujala, Carol Wincenc e Keith Underwood. Atuou como solista com o La Fosse Baroque Ensemble, a Sinfonietta Carioca, a Orquestra Filarmônica de Goiás, a Orquestra Sinfônica da UNIRIO, a Camerata de Esquina, a Orquestra Jovem de Brasília, a Orquestra Sinfônica de Goiânia e a Orquestra de Câmara Goyazes. Foi primeiro flautista da Orquestra Filarmônica de Goiás e atuou como músico convidado da Orquestra do Teatro Nacional Cláudio Santoro, da Cedar Rapids Symphony Orchestra e da Orquestra Sinfônica Brasileira. Atuou como solista com o La Fosse Baroque Ensemble, a Orquestra Filarmônica de Goiás, Orquestra Jovem de Brasília, a Orquestra Sinfônica de Goiânia e a Orquestra de Câmara Goyazes. Como intérprete de música contemporânea, participou dos concertos do Center for New Music (1997 a 1999) nos EUA e de várias primeiras audições em várias edições das Bienais de Música Contemporânea da FUNARTE (2007, 2013, 2015 e 2017) no Rio de Janeiro. Em 2017, Sérgio Barrenechea apresentou a musica de Francisco Mignone na 45a Convenção Anual da National Flute Association em Minneapolis, MN nos EUA. Com sua esposa, a pianista Lúcia Barrenechea, forma, desde 1989, o Duo Barrenechea, desenvolvendo um intenso trabalho camerístico com a formação flauta e piano. O Duo Barrenechea realizou concertos em diversas cidades brasileiras e estrangeiras como Londres, Viena, Lisboa, Porto, Hanói-Vietnã e várias cidades dos EUA. O Duo Barrenechea foi contemplado com o Prêmio Circuito FUNARTE de Música Clássica de 2010, que consistiu na realização de uma turnê por 10 cidades brasileiras nas regiões Nordeste, Norte, Sudeste e Sul. O Duo tem participado de vários eventos e encontros como o Iowa Flute Festival (1997), o Mississipi Flute Day (2010), o IV e o VIII Festivais Internacionais de Flautistas da Associação Brasileira de Flautistas – ABRAF (2000, 2008, 2011 e 2012), 51o Festival Villa-Lobos (2013) e o 4º Encontro Internacional de Pianistas de Tatuí (2007), o XXXI Festival Internacional de Flautistas em Lima, Peru, a 44a Convenção Anual da National Flute Association em San Diego nos EUA e o Toronto Latin Flute Festival 2017, quando apresentou o concerto “Brazilian Night”. Desde 2005, Sérgio Barrenechea tem atuado intensamente como flautista do Quinteto Brasília, em diversas apresentações no Brasil e no exterior. Em 2013 e 2014, realizou 130 concertos com o Quinteto Brasília, a convite do SESC, através do Projeto Sonora Brasil em cidades das regiões Sul e Sudeste do país, com o tema “Edino Krieger e as Bienais de Musica Contemporânea”. Em 2018, o Quinteto Brasília foi convidado a se apresentar na Comemoração dos 73 anos da FEB na Itália em concertos em Roma, Pistoia, Montese e Porreta Terme, evento promovido pela Embaixada Brasileira. Como professor de flauta, participou do corpo docente de várias edições do Curso Internacional de Verão da Escola de Música de Brasília, do 25º Festival de Música de Londrina (2005), do Festival "Inverno em Festa" em Palmas – Paraná (2006), do Festival de Música de Câmara de Caxias do Sul (2008), do 21º Inverno Cultural da UFSJ (2008), do Festival Conexões Musicais-UFF/UNIRIO (2017 e 2018) e do Festival Villa-Lobos (2018). Foi professor da Universidade Federal de Goiás e professor convidado da Universidade de Brasília. Atualmente, é professor titular de flauta transversa no Instituto Villa-Lobos/UNIRIO, onde também atua no Programa de Pós-Graduação em Música (mestrado e doutorado). Lançou os seguintes produtos: o CD “Momentos em Paris” com o Duo Barrenechea (2008), o CD “Quinteto Brasília – Brincadeira a Cinco” (2009), o CD Triplo “A Música para Flauta de Francisco Mignone” (2010) com apoio da FAPERJ e o DVD “Duo Barrenechea – Brasileiríssimo: Encontros (2015). Sérgio Barrenechea é professor titular de flauta transversa no Instituto Villa-Lobos/UNIRIO. Atua com o Duo Barrenechea e o Quinteto Brasília, realizando diversos concertos em cidades brasileiras e estrangeiras. Participou como artista e professor de vários eventos e festivais como as Convenções Anuais da National Flute Association nos EUA, o Toronto Latin Flute Festival, o Festival Internacional de Flautistas no Peru, o Festival de Campos do Jordão, o Festival Villa-Lobos, e várias edições do Curso Internacional de Verão da Escola de Música de Brasília e do Festival Conexões Musicais-UFF/UNIRIO. É o idealizador do “Encontro Carioca de Flautas” que acontece anualmente em novembro. Lançou os seguintes produtos: CD “Duo Barrenechea - Momentos em Paris” (2008), CD “Quinteto Brasília – Brincadeira a Cinco” (2009), CD Triplo “A Música para Flauta de Francisco Mignone” (2010), DVD “Duo Barrenechea – Brasileiríssimo: Encontros (2015) e o livro de partituras “A Música para Flauta e Piano de Francisco Mignone” (2016).

Denis Bouriakov

Established as one of the world’s leading flute soloists, Denis Bouriakov was the winner of the 2009 Prague Spring competition, and prize winner at almost every known major international flute competition, including the Nielsen, Munich ARD, Kobe, Rampal, Nicolet, Larrieu, and others. He is currently the Principal Flutist of the Los Angeles Philharmonic, appointed by Gustavo Dudamel in 2015, and has previously served as the Principal Flute of the Metropolitan Opera in New York under James Levine. Denis has been combining orchestral and solo careers and is regularly performing concertos and in recitals worldwide. He has collaborated as a soloist with many prominent conductors, including Valery Gergiev, Daniel Harding, and Gustavo Dudamel. With his phenomenal virtuoso technique and musicianship, Denis looks outside the standard flute repertoire for works that would allow the flute to shine, continually transcribing and performing violin concertos and sonatas, and expanding the limits of flute technique and artistry. A number of his arrangements have been published by the Theodor Presser, and a few are in the works. Some of the arrangements are available as free downloads on his website. Denis has made a number of solo recordings. His first solo CD, featuring the Bach Chaconne, Sibelius violin concerto, and other daring original arrangements, was released in 2009, followed by a number of other solo albums over the years. His latest CD in collaboration with the Lithuanian Chamber Orchestra of Romantic-era violin and flute concertos includes the Mendelssohn Violin Concerto and is due to be released in the near future. In addition to his commercially released solo albums, Denis has published hundreds of videos of live performances from recitals and concertos on his YouTube and IGTV channels. Denis is an enthusiastic teacher and has held a full-time teaching position at U.C.L.A. since 2017, where he has been joined by his fellow-flutist wife, Erin, who shares his enjoyment of team-teaching, collaborating, and performing as a duo. In 2018 he was appointed Visiting Professor of Flute to his alma mater, the Royal Academy of Music in London. The Academy has also previously awarded Denis the prestigious titles of ARAM in 2006 and FRAM in 2014 (Associate and Fellow of the Royal Academy of Music). Denis engages in many masterclasses for various conservatories and universities worldwide and has a number of regular courses in Germany, Japan, and Greece. He has been on the faculty of the Verbier Festival in Switzerland, and the Pacific Music Festival in Japan, in both of which he himself had participated as a student. After retiring from the competition scene as a participant, Denis has been asked to join as a jury member for many international competitions. In 2019 he was invited by Valery Gergiev to be the chairman of the woodwind jury at the prestigious XVI Tchaikovsky International Competition, which, for the first time in its history, had the categories of Woodwind and Brass added. Denis was born in Simferopol, Crimea, and was a prodigy flute player from a very young age. At the age of 10, he was given a place at the Moscow Central Special School where he studied with the famous Professor Y.N. Dolzhikov, the only French-trained professor in USSR. With the support of the “New Names” International Charity Foundation, and the Vladimir Spivakov Foundation, Denis has toured in the next few years as a soloist to over 20 countries in Europe, Asia, South America, and the U.S.A., and performed for Pope John Paul the Second, Prince Michael of Kent, and the presidents of Russia, Romania, and Indonesia. When he turned 18, Denis went on to attend the Royal Academy of Music in London, studying with Professor William Bennett, OBE. While studying in London, he took part in many international competitions and freelanced as a Principal Flute with the Philharmonia of London, the London Philharmonic Orchestra, Leeds Opera North, and the Frankfurt Radio Symphony Orchestra. His first full-time orchestral position was in Finland in 2005 as Principal Flute with the Tampere Philharmonic Orchestra where he also taught at the Tampere Conservatory of Music. In 2008 Denis moved to Spain to become the Principal Flute with the Barcelona Symphony Orchestra under Eiji Oue. Later the same year, Denis has won the audition for principal flute at the Metropolitan Opera in New York and has lived in the United States since 2009.