Januibe Tejera - Coordenador de Classe

Compositor Brasileiro radicado na França, Januibe Tejera é diplomado do Conservatório de Paris (1º Prix), e do IRCAM. Seu trabalho vem sendo encomendado pelos principais ensembles e instituições européias (Ictus, Phace, TM+, Intercontemporain, IRCAM, Darmstadt) e vem sendo premiado tanto no Brasil, na Europa e EUA. Sua produções recentes envolvem aspectos cénicos interligados com a música. Sua música se constrói à partir de uma sólida pesquisa da escrita instrumental, conectada à pesquisa com novas tecnologias, e questões estéticas que intercruzam saberes de músicas clássicas de diversos países em uma linguagem que se reivindica como abstrata. Januibe Tejera é diretor do centro de criação UTEMS, assistant professor de composição na Universidade do Texas – Austin, e diretor da produtora Before Present Production.

Flô Menezes - Princípios da Música Maximalista

Considerado internacionalmente como um dos mais representativos compositores e teóricos de sua geração, formou-se em composição na USP (1985), tendo sido aluno de Willy Corrêa de Oliveira e Gilberto Mendes. Com bolsa alemã do DAAD, fez Mestrado em Composição Eletrônica (1989) no Studio für elektronische Musik de Colônia, Alemanha, tendo sido aluno de Hans Humpert (sucessor Herbert Eimert). Fez Doutorado na Bélgica (1992) com tese premiada sobre a obra de L. Berio, e Pós-Doutorado em diversas instituições europeias e norte-americanas: IRCAM (Paris), Paul Sacher Stiftung (Suíça), Centro di Sonologia Computazionale (Itália), Universidade de San Diego (EUA), entre outras. Tornou-se o primeiro Livre-Docente no Brasil na área da composição eletroacústica (Unesp, 1997) e, em 2011, um dos mais jovens Professores Titulares da história da Unesp. Seu Doutorado, premiado internacionalmente, foi orientado pelo grande compositor Henri Pousseur, na Bélgica. Na Europa, além de sua aprendizagem com Pousseur, foi aluno de Pierre Boulez (1988), Luciano Berio (1989), Brian Ferneyhough (1995) e Karlheinz Stockhausen (1998), de quem tornou-se Assistente Pedagógico na Alemanha (em 1999 e 2001). Como compositor, foi agraciado com os principais prêmios internacionais e nacionais de composição: Unesco (1989), TRIMALCA (1993), Ars Electronica (1995), Fondation Royaumont (1995), Luigi Russolo (1996), IRCAM (1997), Prêmio Sergio Motta (2002), Bolsa Vitae de Artes (2003), Giga-Hertz (2007), IberMúsicas (2014), Prêmio Concerto (2016). Atuou como Compositor Convidado em diversas instituições de relevância internacional: IRCAM de Paris, Experimentalstudio des SWR de Freiburg, Centro di Sonologia Computazionale de Pádua, CMMAS de Morelia, México, Paul Sacher Stiftung da Basileia, Suíça etc. Sua música tem sido executada por importantes ensembles e orquestras do mundo: Tonhalle Orchester de Zurique, Ensemble Orchestral Contemporain (Lyon), Ensemble Recherche (Freiburg), Ictus (Bruxelas), New Century Players (Los Angeles), SWR Vokalensemble Stuttgart, Arditti String Quartett, Contrechamps (Suíça), Contemporary Music Players (Stony Brook, NY), Les Percussions de Strasbourg, Collegium Novum (Zurique), Camerata Aberta (São Paulo) etc. É autor de cerca de 100 obras e de 13 livros, 3 dos quais publicados na Europa. É Fundador e Diretor Artístico do Studio PANaroma de Música Eletroacústica da Unesp, principal centro de produção e pesquisa em música eletroacústica da América Latina, e do PUTS (PANaroma/Unesp – Teatro Sonoro), orquestra de alto-falantes da Unesp, um dos principais dispositivos tecnológicos de música eletroacústica do mundo. Flo Menezes foi Professor Visitante da Universidade de Colônia, Alemanha, ministrou conferências, deu concertos e foi Compositor Residente em inúmeras outras Universidades de grande relevância: Harvard University, Columbia em NY, CCRMA na Stanford University, UCSD em San Diego, Sorbonne de Paris etc. Flo Menezes é Professor Titular de Composição da Unesp.

Felipe Lara

Felipe Lara nasceu em Sorocaba, São Paulo, em 1979. Em 1999 Recebeu uma bolsa de estudos da Berklee College of Music em Boston, onde se formou com concentração em composição e trilha Sonora em 2002. Também em 2002 ingressou no mestrado em composição e teoria, com bolsa completa, na Tufts University (Boston), onde se formou em 2004 e recebeu o PhD em Composição da New York University Lara for Professor Visitante da Universidade de Harvard onde recebeu o prêmio Harvard Excellence in Teaching Award (2017/2019), Professor Associado do Conservatório de Boston (Berklee College of Music), e é atualmente Professor Assistente do Peabody Institute da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore. Recentemente elogiada pelo New York Times “brilhante,” e de "lirismo voluptuoso e elementar", sua música foi recentemente encomendada pela Filarmonica de Helsinki, Filarmonica de Los Angeles, Ensemble Modern, Ensemble InterContemporain, Conrad Tao, Talea Ensemble, Donaueschinger MusikTage, Claire Chase, International Contemporary Ensemble, Quarteto Arditti, Quarteto Brentano, e Osesp. (Foto Rolex/Hugo Glendinning)

Michelle Agnes - Processos criativos - diário de um pescador

Michelle Agnes Magalhães é compositora cuja música explora os limites entre gesto e escrita. Tem se dedicado à composição desde seu primeiro contato com o professor H.J. Koellreutter, em 1994. Entre 2009 e 2011 ela integrou como pianista o coletivo de improvisação Abaetetuba e fez parte de um duo com o contrabaixista Celio Barros. Após seus estudos de composição na Unicamp, e seu doutorado na Universidade de São Paulo ela se aperfeiçoou com os compositores Salvatore Sciarrino (Accademia Chigiana di Siena, Conservatoire de Latina), Chaya Czernowin (Summer Composition Institute, Harvard University) e Stefano Gervasoni. Sua música foi apresentada em vários festivais na América do Sul e na Europa. A compositora colaborou com vários grupos internacionais dedicados à música contemporânea incluindo os grupos Abstraï, Percorso, Arsenale, Accroche Note, Promenade Sauvage, ECCE, Bahia Blanca Soloists, Quarteto Prometeo, Flame Ensemble, Ensemble TaG Neue Musik, 20° dans le noir, Talea Ensemble, Ensemble L'Itinéraire and Ensemble Multilatérale. Recebeu encomendas de obras da (Lorca Fragments), da Orquestra Filarmônica de Goiás (After Spring), de la Biennale de Venise (Crime(s)), do Instituto Radcliffe de Estudos Avançados de Harvard (Herbarium), do SESC (The grand Can(y)on), da Fundação Siemens (Orange) e do Ministério da Cultura da França para a composição da música para uma adaptação em forma de teatro musical da Tempestade de Shakespeare. A compositora tem foi premiada com bolsas, residências e comissões da Fundação Camargo, Villa Sträuli, Ministério da Cultura, Fondazione Giorgio Cini de Veneza, Fundação Siemens e Instituto Francês do Marrocos.Em 2003 foi premiada com a bolsa Unesco-Aschberg para jovens artistas com residência no IMEB (Institut Internacional de Musique Electroacoustique de Bourges), França. Desde 2017 a compositora é fellow do Instituto Radcliffe de Estudos Avançados da Universidade de Harvard University. Entre 2018 e 2019, ela foi artista residente do IRCAM no programa Starts Residencie

Marcos Balter - Equidade e crioulização no discurso estético contemporâneo

Compositor carioca residindo em Nova York, Marcos Balter é vencedor de honrarias como a Guggenheim Fellowship, Harvard/Fromm Commission, Leonard Bernstein/Tanglewood Music Center Fellowship, e a Civitella Ranieri Invitational Fellowship. Celebrado pela crítica especializada como “talvez o mais estimulante compositor brasileiro de sua geração” (O Estado de São Paulo) e dono de obra “excêntrica e surreal” (New York Times), consta em seu currículo encomendas da Los Angeles Philharmonic, Chicago Symphony Orchestra, Camerata de Genebra, e International Contemporary Ensemble, além de frequentes apresentações em grandes salas de concerto e festivais internacionais. Colaborador eclético, já realizou parcerias com Paul Simon, José González, The Staves, e King Brit, além de um álbum completo com a banda Deerhoof e o grupo contemporâneo Dal Niente. Com obras publicadas pela Schott NY, sua vasta discografia inclui álbuns por vários selos, dentre eles New Amsterdam Records e New Focus Recording. Destaques da temporada de 2020-21 incluem estreias mundiais pela Cincinnati Symphony Orchestra e pelo Shanghai String Quartet com o contratenor Anthony Roth Constanzo, além do lançamento de álbuns com a flautista Claire Chase e com o quarteto de saxophones ˜Nois. Marcos Balter é Associate Professor e chefe do departamento de composição e teoria na Montclair State University, tendo atuado recentemente como professor convidado na Columbia University e University of Pennsylvania, bem como em residências em Stanford, University of Buffalo, UCSD, e Harvard. (credito foto: Heidi Solander)

Olivier Stankiewicz - Processos criativos e técnicas no repertório contemporâneo para Oboé

Over the last year Olivier has given recitals at Wigmore Hall, Snape Maltings and the Louvre collaborating with Alasdair Beatson, the Doric and Castalian String Quartets. He performed Benjamin Attahir's Concerto Nur with the Orchestre de Lille and took part in the Aix-en-Provence Easter Festival with Renaud Capuçon. Previous solo highlights include recitals at the Isabella Gardner Museum in Boston, the Merkin Concert Hall and Morgan Library in New York. He has performed Berio’s Chemins IV with the Orchestre National du Capitole Toulouse, Bernd Alois Zimmermann's Concerto with the French National Orchestra and appeared with Tokyo Sinfonietta at Suntory Hall. Committed to new music, this season Olivier premieres a new commission by Laurent Durupt in Paris and London. He records the Mozart Concerto for LSO Live and a solo CD for Delphian. In 2015 Olivier was appointed principal oboe of the London Symphony Orchestra. Awards include 1st Prize at the Young Concert Artists auditions in New York, and at the International Oboe Competition in Japan. He was selected by YCAT in 2016. Olivier Stankiewicz, principal oboe of the London Symphony Orchestra, with pianist Alasdair Beatson brought extraordinary drama to the Temporal Variations (1936). The Guardian / Snape Maltings Britten Weekend / October 2018

Marco Blaauw - Trompete Contemporâneo

Marco Blaauw tem uma carreira como solista internacional e é membro do Ensemble Musikfabrik em Colônia, Alemanha. Marco Blaauw sempre esteve focado no desenvolvimento do trompete e na busca por um novo repertório. Blaauw tem trabalhado em estreita colaboração com os compositores de nosso tempo. Muitos trabalhos foram escritos especialmente para Blaauw, incluindo composições de Peter Eötvös, Georg Friedrich Haas, Wolfgang Rihm, Rebecca Saunders e John Zorn. Blaauw trabalhou intensamente com Karlheinz Stockhausen. Voando sobre a orquestra em uma gaiola com gimbal, ele desempenhou o papel principal na obra MICHAEL REISE de Stockhausen. O trabalho de Marco Blaauw é amplamente documentado por meio de rádio, televisão e gravações de CD. Seu sexto CD solo, Angels, foi premiado com o "Preis der Deutschen Schallplattenkritik 2014". Como compositor, Blaauw recebeu o Prêmio Karl Sczuka 2016 (subvenção de apoio) por sua primeira peça de rádio, “deathangel”. Blaauw tem sido intensamente ativo como professor em aulas de mestrado internacionais e, mais recentemente, em um programa de mestrado no Royal Conservatory, em Haia.

Cássia Carrascoza

Cássia Carrascoza é professora Doutora do Departamento de Música da FFCLRP-USP. Foi bolsista da Fundação VITAE, estudou na Academia Franz Liszt de Budapest e no Conservatório de Amsterdam. De 1999 a 2018 foi primeira flautista da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo e, de 2000 a 2014, da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo. Foi integrante da Camerata Aberta, com a qual recebeu o prêmio APCA 2010 e o 8° Prêmio Bravo 2012. Se apresentou em diversos países da Europa, Estados Unidos e América do Sul. Trabalha na pesquisa da performance da música contemporânea brasileira, recebendo diversas obras dedicadas a ela no Brasil e exterior. Em 2017, lançou o Cd Tempo transversal - flauta expandida, gravado em São Paulo e em Paris, (Selo SESC), apontado pela Revista Bravo como um dos 10 Cds imperdíveis de música erudita desse ano. Tem sido convidada para atuar em instituições internacionais como IRCAM, UC – Riverside, Pontificia Universidad Católica de Chile.