Classe de Baixo

Jr. Primata - Coordenador da Classe

O contrabaixista Jr. Primata é músico com grande experiência, tendo atuado profissionalmente como “sideman”, diretor e arranjador, em apresentações e gravações de álbuns em vários estados. Na área de música instrumental, participou de vários grupos, entre eles o Marimbanda, o duo Groove Primata, juntamente com o contrabaixista Sérgio Groove, o Caninga Trio, com Manoca Barreto (guitarra) e Heleno Feitosa (sax). Como educador, além de compor o quadro de professores da Escola de Música da UFRN, tem ministrado oficinas do instrumento pela região. Entre eles, os mais importantes foram Festival da Serra da Ibiapaba (2007, 2008 , 2011, 2018 e 2019) e Festival Jazz&Blues da Serra de Guaramiranga em 2010. No início de 2009 foi responsável pela coluna Fusão Nordestina da revista Baixo Brasil.

PROFESSORES

Adriano Gifoni

A música popular brasileira é uma maravilha multifacetada, recheada de influências. Adriano Giffoni faz parte dessa obra cultural que rodou o mundo. Com 40 anos de carreira de contrabaixo elétrico e acústico, é um dos profissionais mais requisitados da música brasileira. Coleciona métodos de estudos, gravações e shows com artistas do Brasil pelo mundo, como Roberto Menescal, Gal Costa, Wanda Sá, Carlos Lyra, Marcos Valle, Danilo Caymmi, Virgínia Rodrigues, Emílio Santiago, Sivuca, Maria Bethânia, Elba Ramalho, Spok Frevo Orquestra, dentre outros. Adriano Giffoni é um dos profissionais mais requisitados da música brasileira. São 40 anos dedicados ao contrabaixo brasileiro. Possui métodos de estudos aplicados na Berklee School of Music, uma extensa discografia autoral, gravações e participações em turnês com renomes brasileiros como Roberto Menescal, Gal Costa, Wanda Sá, Carlos Lyra, Marcos Valle, Sivuca, Maria Bethânia, Elba Ramalho dentre outros. O décimo álbum do Adriano Giffoni revela toda a magia do contrabaixo brasileiro, em sua essência e diversidade de ritmos. Com onze temas instrumentais, todos autorais Giffoni também assina os arranjos e a direção musical. O álbum se destaca pela brasilidade, em perfeito diálogo com a banda, formada por antigos parceiros de estrada. Um destaque do álbum que comemora 35 anos de carreira é a faixa Pro Menesca, uma homenagem a Roberto Menescal. Uma legítima bossa nova gravada com os mestres João Cortez (bateria), Adriano Souza (teclados), Reginaldo Vargas (percussão), com um solo de guitarra do próprio Menescal.

Celso Pixinga

CELSO PIXINGA- “O Ícone do Contrabaixo Brasileiro” é reconhecido dentro e fora do País como um dos melhores baixistas no cenário musical Celso Pixinga é contrabaixista, compositor, arranjador, diretor musical e educador. Reconhecido no Brasil como um dos mais rápidos contrabaixistas com a utilização da técnica do SLAP. Na década de 80, Celso Pixinga tornou-se professor de contrabaixo e no ano de 1987, lançou seu primeiro trabalho: “Pixinga” e no ano seguinte, apresentou-se no Free Jazz Festival. Conhecido em todo o país, depois de ter tocado com Evandro Mesquita, Gal Costa, Wanderléa e outros artistas e bandas, o baixista lançou “Voo Livre”, que mostrou com clareza as influências do funk, do jazz e da música brasileira no som produzido por Pixinga. Junto com grandes nomes da Música brasileira como Nelson Ayres, Roberto Sion, entre outros fizeram lançamento da primeira vídeo-aula no Sesc Pompeia em 1990 pela Aprenda Musica. Em 1996, o músico foi o primeiro contrabaixista a lançar o disco “Wake Up”, no Blue Note de Nova York, conhecido como o templo do jazz. Apesar da pouca divulgação da música instrumental no Brasil, Pixinga conseguiu manter-se no cenário dos grandes músicos e gravar seus CDs. Desde 2002 Pixinga é idealizador e produtor do Festival de Baixo que se realiza em todo o Brasil “Pixinga Bass Festival”, com objetivo de revelar novos talentos de todos os estados. O Festival não tem fins lucrativos e tem sido plataforma de fomento a música instrumental e novos protagonistas como: Ricardinho Paraíso, Mauro Sergio e Ebinho Cardoso. Por 5 anos participou do New Hampshire Bass Fest (Berklee) com apresentações e dando aula. Viaja pelo Brasil e exterior dando workshops. Com 40 anos de carreira, é considerado um dos maiores contrabaixistas do mundo. Já trabalhou com artistas nacionais e internacionais: INTERNACIONAIS: Dave Weckl, Gonzalo Rubalcaba, Romero Lubambo, Taj Mahal, Todd Johnson, Jim Stinnett,Grant Stinnett, Tom Arey,Don Moio, Everett Pendleton, Dave Dicenso, Michael Manring, Entre Outros. NACIONAIS: Nelson Ayres, Roberto Sion, Rick Pantoja, Marcos Resende, Banda Retoque, Heitor Tp, Victor Biglione, Serginho Trombone, Marinho Boffa, Mozart Mello, Carlos Balla, Zé Lourenço, Julinho Teixeira, Faiska, Michel Freidenson, Tomate, Cuca Teixeira, Maguinho, Lis De Carvalho, Tato Andreatta, Marcelo Elias, Ney Neto, Giba Favery, Edu Malta, Fred Tangary, Paul Liberman, Walmir Gil, Teco Cardoso, Don Harris, Vitor Alcantara, Tico Delisa, Kuki Stolarski, Wagner Spina, Léa Freire, Proveta, Vinícius Dorin, Arismar Do Espirito Santo, Rudy Arnaut, Wagner Barbosa, Fabio Santini, Bruno Fonseca, Bruno Alves, Lana Ferreira, etc. CANTORES: Eduardo e Silvinha Araújo, Dudú França, Jessé, Wanderléa, Angela Rorô, Evandro Mesquita, Gal Costa, Jane Duboc, Laura Finnochiaro, Ana Caran, Fat Family, Lica Cecato, Rita Kfouri, Claudia Ferrete, Shirley Oliveira.Celso Pixinga é também um formador de opinião PROJETO SOCIAL Desde 2002 Pixinga faz um Festival de Baixo que se realiza em todo o Brasil= PIXINGA BASS FESTIVAL, o qual foi idealizado por ele para revelar novos talentos. O Festival não tem fins lucrativos. NA ÁREA EDUCACIONAL Trabalhou por 15 anos como coordenador da Cadeira de Baixo na EMT São Paulo Por 14 anos deu aula na EMESP –Santa Marcelina Por 5 anos foi a BOSTON no Festival NEW HAMPSHIRE BASS FESTIVAL organizado pelos professores da BERKLEE. Foi considerado pela critica especializada Mundial( Revista Down Beat) em 1992 o baixista MAIS RÁPIDO DO MUNDO na técnica do SLAP. TOURNÉE INTERNACIONAL: EUA, Japão, Argentina, Equador , Portugal, França, Itália, Inglaterra, China, etc. CELSO PIXINGA USA: Baixos Maruszczyk, Oneal Amplificadores, Joyo Pedais, Cordas Nig , Capcases, Mendes Luthieria, Tango e Adidas.

Ebinho Cardoso

Pela singularidade de sua música e técnica Ebinho Cardoso é um dos mais respeitados baixistas brasileiros. Compositor, arranjador, cantor e pesquisador, utiliza elementos atípicos ao baixo elétrico, mostrando as possibilidades do baixo como instrumento de acompanhamento, solo e principalmente de harmonia, característica de suas execuções que aliam precisão e refinamento. Reúne traços do jazz às particularidades da música erudita e popular brasileira. Inovador, pesquisa a vários anos as possibilidades do baixo como instrumento harmônico, estudo que resultou no livro “Harmonia e Dicionário de Acordes Aplicados ao Baixo Elétrico”, editado em 2005, revisado por Ian Guest, com prefácio de Arthur Maia. A partir de sua pesquisa e inovação, tem se destacado no cenário nacional e internacional. Lançou em 2009 o álbum “No rastro dos ruídos remotos das rodas da infância” pela gravadora Inglesa CURVE Music, com participação do bandolinista Hamilton de Holanda. Também em 2009 lançou o DVD aula “Técnicas alternativas para baixo elétrico” pela editora HMP. Foi contemplado pelo Ministério da Cultura, com o prêmio produção do Projeto Pixinguinha, lançando em 2010 o álbum “Cerrado”. Dividiu o palco com grandes nomes da música mundial como Abraham Laboriel, Davi Samuels, Joe Hunt, Marshall Wood, Toninho Horta, Nelson Faria, Carlos Malta, Michael Manring, Todd Johnson, Jim Stinnett, Renato Braz, Celso Pixinga, Mark Walker, Arthur Maia, Thiago Espírito Santo, Marcos Nimrichter, Marku Ribas, entre muitos outros. Vem se apresentando em festivais de jazz e música instrumental no Brasil e exterior, além de importantes projetos como: Amazônia das Artes, SESC Instrumental, Circular Brasil, Baixo Brasil, Bass Workout, FiveWeek (Berklee) entre outros. A convite de Jim Stinnett se apresentou e ministrou aulas em junho de 2010, no New Hampshire Bass Fest – EUA. Também em 2010 lançou o álbum Bass Family gravado em Boston – USA. Em 2011 lançou em duo com o cavaquinista Pedro Vasconcellos, o cd “A Comédia do Coração”, e o cd “Elements Trio” em parceria com os baixistas Grant Stinnett e Sérgio Groove. Tocou no palco principal da NAMM Show, na Califórnia, por dois anos consecutivos (2017-2018). Em Janeiro de 2018 fez uma turnê pelos USA, tocando em Chicago, Denver e Lincoln. Também em 2018 lança, em parceria com o pianista Nando Michelin, o cd Engenheiros, com poemas musicados de João Cabral de Melo Neto. Para 2019 prepara um cd com poemas de Manoel de Barros, também em parceria com Nando Michelin, além de nova edição de seu livro em Português e Inglês e a trilogia de cds Solo, Duo e Trio.

Hamilton Pinheiro

O contrabaixista Hamilton Pinheiro vem desenvolvendo seu trabalho na música Brasileira com talento e sensibilidade desde muito cedo. Aos 16 anos já se apresentava em vários grupos musicais em Natal-RN, cidade onde nasceu. Trazendo consigo a herança musical nordestina, chegou em Brasília no ano de 1996, onde se aperfeiçoou e somou à sua música tantas novas concepções, como o choro e o jazz. Em 1997 ingressou na Escola de Música de Brasília onde concluiu o curso de Baixo Elétrico e passou a fundamentar suas escolhas musicais estudando o que havia de melhor e mais importante no âmbito nacional e internacional. Pinheiro possui mestrado em Jazz Performance pela University of Louisville (Louisville, KY), licenciatura em música pela Universidade de Brasília e é técnico em contrabaixo pela Escola de Música de Brasília. Músico, arranjador e produtor musical, gravou/produziu mais de 80 trabalhos e já contracenou com grandes nomes como Armandinho Macedo, Carlos Malta, Leonel Laterza, Carlos Pial, Paulo Moura, Dominguinhos, Eduardo Neves, Anne Walsh, Ebinho Cardoso, Mirian Marques, Hamilton de Holanda, Lidi Satier, Túlio Borges, Gabriel Grossi, Zé Luis Mazzioti, Paul Lieberman, Alexei Tsiganov, Mike Tracy e Phill de Greg. Dentre os principais trabalhos realizados em estúdio, assina a produção dos álbuns: “Eu sou assim” (Mirian Marques), “Hora certa” (Michael Tracy), “Alquimia” (Carlos Pial), “Veredas Musicais” (Alessandro Corrêa), “Guardados” e “Esmeraldas” (Leonel Laterza), “Pegando Fogo” (Félix Júnior), “Teia” (Lidi Satier), “Aos litorais” (Paulinho Beissá), “aFeira” (grupo aFeira) e “Tudo bem” (Célia Rabelo). Além do CD Quatro, seu mais recente álbum (2016), seus trabalhos como compositor e instrumentista estão ilustrados nos álbuns “Altos e Baixos” (2004 – solo), “Duo 13” (2007 – grupo Duo 13) e “Galinha Caipira Completa” (2009 – grupo Galinha Caipira Completa). Como educador foi professor da Escola de Música de Brasília e da Academia BSB Musical. Nessa última, Pinheiro foi o responsável pelo desenvolvimento dos métodos de contrabaixo e contrabaixo infantil. Também ministrou vários workshops no Brasil e Estados Unidos, como a palestra “Brazilian music from a Brazilian musician: samba, bossa and beyond”, na conferência da Jazz Education Network, e atualmente ministra o curso online Baixo Completo, vinculado ao projeto Dicas de Baixo (www.dicasdebaixo.com.br).

Itamar Colaço

Nascido em 1958 em São Paulo, aos 14 anos, iniciou sua formação musical como baixista autodidata, e com 15 anos iniciou sua carreira como músico. Desde então, tem se apresentado em shows ao vivo e em gravações em estúdio, televisão, teatros, bares e casas de espetáculo com artistas renomados dos quais destacam- se: Gilberto Gil, Maria Rita, Ivan Lins, Elba Ramalho, Jair Rodrigues, Toquinho, João Bosco, George Benson, Astor Piazzolla e Dionne Warwik. De 1990 até 2019 trabalhou como professor de contrabaixo e de prática de grupo na antiga Universidade Livre de Música – ULM, atual Escola de Música do Estado de São Paulo – EMESP Tom Jobim. Tem participado como palestrante nas seguintes universidades: Universidade Estadual Paulista – UNESP, Universidade Federal da Paraíba – UFPB, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, Universidade Cantareira, Universidade Santa Marcelina e Souza Lima. Por muitos anos contribuiu com coluna especializada em contrabaixo na revista “Cover Baixo”. Desde 1995 prepara alunos para apresentação profissional e em festivais tais como o Festival de Inverno de Campos do Jordao, Festival de Inverno de Ourinhos e Festival de Música de Itajaí. Proferiu cursos no festival de Jazz de Tatuí, Festival de inverno de São Caetano, Londrina e Ourinhos. Gravou dois discos solo “De outra forma” em 1998 e o “Já nas Bancas” em 2000. De 2001 até 2011 fez parte do “Zimbo Trio”, apresentando a música instrumental brasileira pelo mundo. Em 2008, ganhou prêmio de “educador do ano” pelo CIEE, e prêmio TIM de Música na categoria “melhor grupo instrumental”. Em 2016 aprovou projeto PROAC chamado “Radar Metropolitano” no qual desenvolveu composições homenageando São Paulo. EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL E PRINCIPAIS ATIVIDADES DE DESTAQUE • 1972 até atualmente: Músico Profissional, instrumento: contrabaixo elétrico e acústico; • 1987 – 1990: Professor de contrabaixo no Conservatório Musical do Morumbi; • 1990 – 2019: Professor de contrabaixo e de práticas de conjunto na EMESP Tom Jobim; • 1996 até atualmente: músico na Orquestra “Arte Viva”; • 2001- 2004: Baixista na banda “Triálogo”; • 2001-2011 – Baixista na banda “Zimbo Trio”; • 2004: Segundo lugar prêmio VISA com “Triálogo”; • 2008: Prêmio “educador do ano” pelo CIEE; • 2008: Prêmio TIM de Música na categoria “melhor grupo instrumental” com “Zimbo Trio”; • 2016-2018: Professor de música na comunidade da Vila São Jose (Cidade Ademar); • Participou em shows acompanhando: Alceu Valença; Amelita Baltar; Amilton Godoi; Astor Piazzolla; Diogo Nogueira; Dionne Warwik; Domiguinhos; Ed Motta; Elba Ramalho; Emilio Santiago; Eugénia Melo e Castro; Frejat; Gal Costa; George Benson; Gilberto Gil; Hector Costita; Hélio Delmiro; Ivan Lins; Iza; Jair Rodrigues; Joao Bosco; John Pizzarelli; Leny de Andrade; Maria Betânia; Maria Rita; Milton Nascimento; Percio Sapia; Phill Wilson; Randy Waldman; Roberto Sion; Ruben Distasio; Rubinho Barsotti; Stanley Jordan; Thiaguinho; Toquinho; Zélia Duncan; Zizi Possi, entre outros; • Álbuns de destaque: “De outra forma – 1996”; “Já nas bancas – 2000”; “Casa da Lua Cheia – 2000”; “Tributo a Ellis Regina – 2003”; “Zimbo ao vivo – 2006” e “Embalada – 2011”.

Oswaldo Amorim

Formação Acadêmica: • Mestrado em Jazz Performance – Manhattan School of Music, Nova York – NY (USA), 1999-2001. Professor/Orientador, Jeff Andrews • Especialização em Contrabaixo – Bass Collective, Nova York – NY (USA), 1998. Professor/Orientador, John Patitucci. • Licenciatura em Música – Universidade de Brasília, Brasília – DF, 1991-1996. Histórico Profissional: Natural do Rio de Janeiro iniciou seus estudos em música aos nove anos de idade no conservatório Carlos Gomes (Belém-PA). Aos 16 anos o baixo-elétrico passa a ser o instrumento principal, tendo como primeiro professor o contrabaixista Dôdo Ferreira. Ainda no Rio estudou baixo e harmonia com o baixista e arranjador Aurélio Dias. Em 1990, residindo na capital federal, ingressa na Escola de Música de Brasília, onde inicia seus estudos no baixo acústico com o prof. Tony Botelho. Ainda na EMB, estudou canto lírico com o prof. Francisco Frias e baixo acústico e elétrico com o prof. Ricardo Vasconcellos. Em Janeiro de 1998, premiado com uma bolsa de estudos pelo Ministério da Educação (CAPES), muda-se para Nova York para estudar na Bass Collective, sob a orientação de um dos mais importantes nomes do contrabaixo mundial, John Patitucci, onde concluiu o curso de Especialização em Contrabaixo – “One Year Certificate Program”. Em Fevereiro de 1999, através de uma audição para ingressar no curso de Mestrado em Jazz Performance na Manhattan School of Music, consegue a vaga e é premiado com uma bolsa de 75%. Formou-se em Maio de 2001, sob a orientação do baixista Jeff Andrews. Músico profissional desde 1990, já se apresentou em várias cidades no Brasil e no exterior (Argentina, Cuba, Equador, Estados Unidos, Paraguai, Portugal, Rússia e Ucrânia), tendo gravado e tocado ao lado de: Branford Marsalis, Marcio Montarroyos, Roberto Menescal, Toninho Horta, Sérgio Sampaio, Hermeto Paschoal, Raul de Souza, Danilo Caymmi, Mauricio Einhorn, Ricardo Silveira, Léo Gandelman, Victor Biglione, Toninho Ferragutti, Hamilton de Holanda, Lula Galvão, Vinícius Cantuária, Nivaldo Ornelas, Raul Mascarenhas, Marcos Ariel, David Helbock, Vitor santos, Garry Dial, Carlos Malta, Manassés, Andrei Kondakov, Nelson Farias, Gary Keller, Oswaldinho do Acordeon, Iva Bittová, Bocato, Jovino Santos Neto, Mark Lambert, Renato Vasconcellos, Dave Pietro, Conrado Paulino, Cris Delanno, Jeff Gardner, Daniela Spielman, Mike Tucker e muitos outros. Professor efetivo da Escola de Música de Brasília (CEP-EMB), desde 2003, participou como professor convidado do Curso Internacional de Verão da EMB, nos anos de 2003, 2006, 2013, 2018; no Festival Internacional de Jazz de La Plata (Argentina) nos anos de 2012 e 2014; na Universidade de Brasília, no curso “Semana de Música Popular”, pelos 40 anos do Departamento de Música, em 2003. Durante os cinco anos em que residiu em Nova York, teve uma atuação musical intensa e diversificada, com inúmeras apresentações em lugares consagrados como: Blue Note, Birdland, SOB’s, Cleopatras Needle, Decade, Kniting Factory, 55 Bar, Le Bar Bat, Village Underground, The Cutting Room, Zinc Bar, The Cupping Room, Europa Club, The Elbow Room, CBGB’s, The Easy Bar, etc. Atualmente, além de acompanhar diversos artistas nacionais e internacionais, desenvolve seu trabalho solo, com composições próprias e arranjos que traduzem as influências, a musicalidade e a versatilidade de sua música. Seu CD “Oswaldo Amorim” está disponível em todas as plataformas digitais. Possui vários especias para a TV, com programas gravados para TV Senado, TV Câmara e TV Brasil. Além do seu projeto autoral, possui também o Show “Tributo a Jaco Pastorius”, com especial gravado para a TV Senado, em homenagem ao legado desse que é considerado o baixista mais influente de todos os tempos.

Paula Zimbres

Paula Zimbres é baixista, compositora e cantora. Atua profissionalmente como baixista desde 2002. Seu primeiro álbum solo, Água Forte, produzido pelo pianista e compositor André Mehmari, foi gravado e lançado em 2012. Apresentando-se pela primeira vez como compositora, além de executar baixo elétrico e acústico, piano e voz, Paula mescla a música brasileira, o jazz e a música erudita em uma sonoridade muito pessoal. Em 2017, lançou seu segundo álbum, Moinho, trazendo uma atmosfera mais solar e alegre, remetendo à natureza do Planalto Central que lhe serviu de inspiração. Duas faixas deste disco (Quatro Pontes e Redemoinho) foram finalistas do Festival de Música Nacional FM, em 2014 e 2018, respectivamente. Seu trabalho autoral foi apresentado em importantes espaços como o Clube do Choro de Brasília e o Espaço Cultural Renato Russo, e em festivais como Todos os Sons (2012), Mostra SESC de Música (2016), CoMA – Conferência de Música e Arte (2019) e Jazz na Vila (2018 e 2019). No baixo elétrico ou acústico, é conhecida pela diversidade de estilos em que atua. Em contextos de jazz e música instrumental, já tocou com músicos como André Mehmari, Armandinho Macedo, Carol Panesi, Iara Gomes, Thanise Silva, Sérgio Boré, Renato Vasconcellos, Ricardo Nakamura, Paulo André Tavares e Widor Santiago. Integra atualmente o grupo “Tambores Urbanos”, liderado pelo renomado percussionista Sérgio Boré, com o qual gravou dois álbuns – Música para pintar paisagens no imaginário (2015) e Eit’abraço bom, viu! (2020). Acompanhou a cantora Ellen Oléria por sete anos e participou de diversos grupos de MPB, pop, funk, soul, orquestras e big bands. Formada em Composição Musical e Mestre em Musicologia, ambos pela Universidade de Brasília, Paula mantém intensa atividade profissional como instrumentista e educadora. Leciona na Escola de Música de Brasília desde 2007, nas disciplinas de Contrabaixo Elétrico, Contrabaixo Acústico Popular, Prática de Conjunto, Harmonia Funcional, Teoria e História da Música. Além disso, faz parte da equipe da Epifonia Laboratório de Música, espaço educacional idealizado pelo pianista Ricardo Nakamura.

Ricardinho Paraíso

Ricardo Paraiso Delgado Júnior, 34 anos, natural de Recife – PE, é multi- artista, multi-instrumentista e bacharel em música (Contrabaixo Acústico) pela Universidade Federal de Pernambuco. Paraiso foi Colunista da Revista BassPlayer durante 3 anos, gravou trilhas sonoras para algumas novelas da Globo. Também é o criador dos treinamentos intensivos para contrabaixo “Técnicas incríveis” (2014) e “Improviso no Baixo”(2016), onde adquiriu alunos no mundo inteiro. Ricardinho foi endorsee das marcas internacionais: Aguilar, Dr strings, Gruvgear e Mayones Basses. Atualmente trabalha com as marcas: Elixir, Shure, Roland, Boss Brasil, Le Amp, Offero e SJ Guitars and Basses. Na área pedagógica, Ricardinho lecionou no Centro de Educação Musical de Olinda (CEMO) e no Conservatório Pernambucano de Música (CPM). Atualmente ensina contrabaixo elétrico na Escola de música e Tecnologia (EM&T) School of Rock em São Paulo. Realizou também diversos Workshops pelo Brasil. Como músico instrumentista, Paraiso tocou no programa do Datena, intitulado; “Agora é Domingo” no quadro “Caixa de Talentos” (Band TV), é contrabaixista da banda instrumental Silibrina, uma banda brasileira em ascensão, que realizou 2 turnês internacionais em 2018; No começo do ano nos Estados Unidos (Texas, New Jersey e New York) e no meio do ano na Europa (Espanha e Portugal). Em 2019, a banda Silibrina lançou seu segundo álbum, divulgando o intitulado “Estandarte” por 12 países!!! Em 2017 iniciou o projeto em duo com sua esposa e também musicista, Mayara Paraiso, chamado “Casal do Baixo”, onde agregam o contrabaixo acústico, contrabaixo elétrico, percussão, composições autorais e alguns elementos da música popular e clássica. A estreia do projeto foi no SESC Belenzinho à convite do grande músico e padrinho Celso Pixinga. Ainda em 2017 participaram do festival internacional de contrabaixo realizado em São Luís do Maranhão Atualmente, além de buscar novos horizontes com sua banda instrumental, Ricardinho acompanhou o multi-artista Antônio Nóbrega na abertura do Carnaval de Recife em 2020, está gravando e produzindo mais um trabalho autoral, mesclando músicas cantadas e improvisos. Ainda em 2020, Paraíso faz parte da turnê Moonlight Acoustic do grande cantor e compositor Edu Falaschi, onde toca pandeiro, baixo e violão ao lado dos grandes músicos; Tiago Mineiro (Piano) e Wagner Barbosa(sopros). Em seus dois primeiros trabalhos como compositor, arranjador e instrumentista, Ricardinho gravou dois discos autorais; O Primeiro, ”Além de Nós” (2006) que lhe rendeu dois prêmios em 2010 no festival FAMPOP em Avaré (SP) e o segundo, intitulado: “Nordestrônico” 2015 em parceria com o baterista e amigo Renato Lemos.